FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES EM PERÍODO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO:

SABERES MOBILIZADOS EM UMA TURMA DE ENSINO MÉDIO A PARTIR DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

  • LORRAINE MACIEL DE MOURA UNYLEYA
Palavras-chave: Formação Inicial. Estágio Supervisionado. Ensino Médio. Extensão Universitária. Saberes Docentes.

Resumo

Este estudo tem por finalidade dialogar com os referenciais teóricos e conceitos da Educação que abordam acerca da formação inicial; estágio supervisionado; identidade e saberes docentes; extensão universitária, a partir de uma experiência de campo, realizada com estudantes de Letras, por meio do estágio supervisionado, em uma turma do Ensino Médio (EM). 

Referências

ARROYO, Miguel G. Imagens quebradas. Trajetórias e tempos de alunos e mestres. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004. 2ª edição.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem. 11ª ed. Editora Hucitec. São Paulo-SP, 2004.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2021.

BRASIL. Lei Nº 11.788, de 25 de Setembro De 2008. Da definição, classificação e
Relações de estágio. Brasília, DF, set. 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2021.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. Formação de professores, trabalho e saberes docentes. Educação, v. 24, n. 3, p. 143–152, 2015. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2021.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. Pesquisas de histórias de vida na formação docente: vantagens, dilemas, paradoxos e tensões. In: BRITO, V. L. F. A. Professores: profissionalização, identidade e formação. 1ª. ed. Belo Horizonte: Argumentum Editora, 2009. v. 500. 276p.

DELL’ISOLA, Regina Lúcia. A abordagem sociointerativa do ensino da Língua Portuguesa. In Aula de Português: parâmetros e perspectivas (v.6, pp. 39-63). Coleção Proleitura, Faculdade de Letras da UFMG, 2013.

FANFANI, Emilio Tenti. La condición docente: análisis comparado de la Argentina, Brasil, Perú y Uruguay,-la ed - Buenos Aires: Siglo XXI. Editores Argentina, 2005.

FILHO, J. Clima Organizacional: Subsídios Teóricos. In Clima Organizacional em Escolas de 1º e/ou 2º Graus: Uma Proposta para Diagnóstico (1ª ed., pp.15-24). Lemi, 1986.

GATTI, Bernardete. A.; BARRETTO, E. S. de S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: Unesco, 2011.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GOODSON, I. F. & SIKES, P. Life history research in educational settings: Learning from lives. Buckingham: Open University Press, 2001.

NÓVOA, António. Profissão professor. 2 ed. Porto: Porto Editora, 1999.

PIMENTA, Selma Garrido. Estágio e docência. 7.ed. São Paulo: Cortez, 2012.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas; tradução de João Batista Kreuch. 3ª ed. Editora Vozes. Petrópolis-RJ, 2007.

THIOLLENT, Michel Jean Marie; COLETTE, Maria Madalena. Pesquisa-ação, formação de professores e diversidade. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences Maringá, v. 36, n. 2, p. 207-216, July-Dec., 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2021.

VASCONCELOS, Maria Lúcia M. C. A formação do professor de 3º Grau. São Paulo: Pioneira, 1996.

ZEICHNER, Kenneth M; DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. Pesquisa dos educadores e formação docente voltada para a transformação social. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 125, maio/ago. 2005. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2021.
Publicado
30-06-2021
Como Citar
MACIEL DE MOURA, L. (2021). FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES EM PERÍODO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO:. Educação Sem Distância - Revista Eletrônica Da Faculdade Unyleya, 1(3). Recuperado de https://educacaosemdistancia.unyleya.edu.br/esd/article/view/99
Seção
Práticas profissionais: Educação