Contribuições das tecnologias de informação e comunicação para promoção da igualdade de gênero no Brasil.

Palavras-chave: Equidade de Gênero, Feminismo, Empoderamento, Ciberativismo, Facebook

Resumo

O presente artigo é um estudo exploratório que busca identificar a presença de espaços virtuais que abordem as questões de igualdade de entre gêneros. Diante disso, realizou-se pesquisa sobre o histórico do movimento feminista desde a luta pelo direito ao voto até o ciberativismo. Em seguida, para sinalizar as contribuições das tecnologias de informação e comunicação sobre a temática, realizou um levantamento de páginas e grupos do Facebook dedicados a essa temática. Os resultados demonstraram que presença de grupos e espaços criados para tratar questões sobre a igualdade entre os gêneros. Por fim, concluiu-se que esses espaços virtuais apresentam um grande potencial para a discussão sobre a igualdade entre gêneros, permitindo novas formas de empoderamento das mulheres.

Referências

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: fatos e mitos. 2 ed. Trad. Sérgio Milliet. Difusão Européia do Livro: São Paulo,1970.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRIDI, Maria A., ZANONI, Alexandre P. e BEZERRA, Giovana U.. O trabalho remoto e as condições das mulheres no contexto da pandemia COVID-19. Curitiba: GETS/UFPR; REMIR, 2020. Disponível em: http://www.dmtemdebate.com.br/o-trabalho-remoto-e-as-condicoes-das-mulheres-no-contexto-da-pandemia-covid-19/. Acesso em 01 de outubro de 2020.

COELHO, Mayara Pacheco. Vozes que ecoam: Feminismo e Mídias Sociais. Pesqui. prát. psicossociais, São João del-Rei, v. 11, n. 1, p.214-224, jun. 2016. Disponível em . acessos em 22 set. 2020.

COSTA, Iria H. e ANDROSIO, Valéria O.. As transformações do papel da mulher na contemporaneidade. S. D. UNIVALE. Disponível em: http://www.pergamum.univale.br/pergamum/tcc/Astransformacoesdopapeldamulhernacontemporaneidade.pdf. Acesso em 20 de ago de 2020.

FRANÇA, Matheus Costa; VIEIRA, Marcia Guedes; FIGUEIRÓ, Ana Lúcia. VOZES ANTIFEMINISTAS NAS REDES SOCIAIS–UMA ANÁLISE DE CONTEÚDO. Programa de Iniciação Científica-PIC/UniCEUB-Relatórios de Pesquisa, v. 3, n. 1, 2017. Disponível em: https://www.cienciasaude.uniceub.br/pic/article/download/5821/4083. Acesso em 3 de outubro de 2020.

FRANCO, Luiza. Violência contra a mulher: novos dados mostram que 'não há lugar seguro no Brasil'. BBC News Brasil em São Paulo. São Paulo. 26 fevereiro de 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-47365503. Acesso em: 13 de ago. De 2020.

GLOBO. De cada quatro mulheres que sofrem violência doméstica, uma não denuncia o agressor porque depende financeiramente dele. Jornal Nacional em Rio de Janeiro. 23 de janeiro de 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2019/01/23/dependencia-financeira-obstaculo-para-mulheres-denunciarem-agressor.ghtml Acesso em: 02 de setembro de 2020.

IBGE. Estatísticas de Gênero: Indicadores sociais das mulheres no Brasil. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdf. Acesso em 23 de março de 2020.

IBGE. Objetivos do Desenvolvimento Sutentável: Objetivo 5 – Igualdade de Gênero. Disponível em: https://odsbrasil.gov.br/objetivo/objetivo?n=5 Acesso em 23 de março de 2020.

IMME, Amanda. Ranking das redes sociais: as mais usadas no Brasil e no mundo, insights e materiais gratuitos. Resultados Digitais. Disponível em: https://resultadosdigitais.com.br/blog/redes-sociais-mais-usadas-no-brasil/. Acesso em 12 de outubro de 2020.

LÔBO, Gutierrez Alves; LÔBO, José Tancredo. Gênero, machismo e violência conjugal: um estudo acerca do perfil societário e cultural dos agressores de violência doméstica e familiar contra as mulheres. Revista Direito & Dialogicidade, v. 6, n. 1, p. 45-56, 2015. Disponível em: http://periodicos.urca.br/ojs/index.php/DirDialog/article/view/962. Acesso em 28 de setembro de 2020.

MARINHO, P. A. S.; GONCALVES, H. S. Práticas de empoderamento feminino na América Latina. Rev. estud. soc. N. 56, 2016 abril/junho, (p. 80 a 90). Disponível em: https://journals.openedition.org/revestudsoc/9863. Acesso em 26 de setembro de 2020.

MOYA, Isabela. Machismo: você entende mesmo o que significa? Politize! 8 de julho de 2019. Disponível em: https://www.politize.com.br/o-que-e-machismo/ Acesso em 02 de ago de 2020.

NÃO ME KAHLO. Sobre. Disponível em: https://naomekahlo.com/sobre-2/sobre/. Acesso em: 13 de setembro de 2020.

ONU. Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, 2015. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2015/10/agenda2030-pt-br.pdf. Acesso em: 11 de março de 2020.

ONU. Princípios de Empoderamento das Mulheres. (2016) Disponível em: , http://www.onumulheres.org.br/referencias/principios-de-empoderamento-das-mulheres/ Acesso em: 27 de setembro de 2020.

RODRIGUES, Liz Vieira; LIMA, Luísa Guimarães. Mídia alternativa brasileira: voz às minorias no ciberespaço. Iniciacom, v. 7, n. 1, 2018. Disponível em: https://portalintercom.org.br/anais/centrooeste2018/resumos/R61-0146-1.pdf Acesso em 13 de ago de 2020.

SILVA, Ariana Kelly Leandra Silva da. Diversidade sexual e de gênero: a construção do sujeito social. Rev. NUFEN, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 12-25, 2013. Disponível em . acessos em 16 ago. 2020.

SOUZA, Delles L. R. e ARAÚJO, Jéssica A. L.. Feminismo contemporâneo: as mídias sociais como ferramentas de resistência. In: VI Semana de História do Pontal e V Encontro de Ensino de História Sociehttps://bibliodigital.unijui.edu.br:8443/xmlui/handle/123456789/4139/eventos.ufu.br/files/documentos/delles_de_lean_rodrigues_de_sousa.pdf. Acesso em 15 de ago de 2020.

TRAMONTINA, Robison; SCHMITZ, Gabriele Ana Paula Danielli EMPODERAMENTO FEMININO: uma análise a partir da teoria do poder simbólico de Pierre Bourdieu. Revista de Gênero, Sexualidade e Direito, v. 3, n. 1, p. 98-107, 2017. Disponível: https://www.indexlaw.org/index.php/revistagsd/article/view/1826. Acesso em 15 de julho de 2020.

THINK OLGA. Sobre. Disponível em: https://thinkolga.com/quem-somos/. Acesso em: 13 de setembro de 2020.

Contribuintes da Wikipédia. Lesbofeminismo [online]. Wikipedia, The Free Enciclopédia, 2020 [data de consulta: 22 de setembro de 2020]. Disponível em .

WITTEKIND, Milena. Empoderamento feminino: estudo de manifestações feministas nas redes sociais por meio de hashtags. 2016. Disponível em: https://bibliodigital.unijui.edu.br:8443/xmlui/handle/123456789/4139 Acesso em 22 de julho de 2020.
Publicado
18-12-2020
Como Citar
Paula, M., & Maia de Souza, F. (2020). Contribuições das tecnologias de informação e comunicação para promoção da igualdade de gênero no Brasil. Educação Sem Distância - Revista Eletrônica Da Faculdade Unyleya, 1(2). Recuperado de https://educacaosemdistancia.unyleya.edu.br/esd/article/view/53
Seção
Artigos de Iniciação Científica e Extensão