Promoção Aleitamento A promoção do Aleitamento Materno ao Recém Nascido Pré Termo utilizando o Método Canguru

não há

  • Débora Haberland Ex aluno de pós graduação da Unyleya
Palavras-chave: Promoção do Aleitamento Materno. Prematuridade. Método Canguru

Resumo

O Leite Materno (AM) para o prematuro, propicia propriedades nutritivas e imunológicas, aumento no desempenho neuropsicomotor, afetivo e diminuir risco de infecções, logo menor tempo de hospitalização. Devido as especificidades da Terapia Intensiva, o AM torna-se de difícil manejo. As unidades neonatais estão utilizando o Método Canguru, que utiliza o contato do bebê com o corpo materno, dentre outros benefícios está a promoção do AM. Objetivo: descrever como a promoção do AM tem sido proposta durante a assistência ao Recém Nascido Pré Termo utilizando o Método Canguru. Método: Revisão bibliográfica nos bancos de dados da BIREME (Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde), Scielo (Scientific Electronic Library Online) e biblioteca de teses da Universidade de São Paulo. Resultados: demonstrou-se que o AM para RNPT é de grande importância, favorece a maior duração e continuidade do AM e melhora a confiança das mães em realizar os cuidados com o RNPT. Os desafios descritos foram adequar à estrutura das unidades, atualização dos profissionais e acolhimento das mães e da família. Conclusão: o método é eficaz e de baixo custo, podendo ser adequado em diversas realidades, contribui com menos hospitalizações e melhora qualidade da assistência ao RN e família.

Referências

ALMEIDA, Honorina et al. The impact of kangaroo care on exclusive breastfeeding in low birth weight newborns. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 86, n. 3, p. 250-253, maio/jun.2010. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2018.

ARAÚJO, Raquel Marida Amaral; ALMEIDA, João Aprigio Guerra de. Aleitamento materno: o desafio de compreender a vivência. Revista de Nutrição, Campinas, v. 20, n. 4, p. 431-438, jul./ago., 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-52732007000400010&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 10 abr. 2020.

BRAGA, Danielle Freitas; MACHADO, Márcia Maria Tavares; BOSI, Maria Lúcia Magalhães. Amamentação exclusiva de recém-nascidos prematuros: percepções e experiências de lactantes usuárias de um serviço público especializado. Revista de Nutrição, Campinas, v. 21, n. 3, p. 293-302, maio/jun., 2008. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-52732008000300004&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 07 jul. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 1.459 de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha.Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em:<
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html>. Acesso em: 02 ago. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Programa humanização do parto: humanização no pré-natal e nascimento. Brasília (DF); 2002.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada. Brasília: Ministério da Saúde, 2006a. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_pre_natal_puerperio_3ed.pdf. Acesso em: 07 jul. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: método Canguru: manual técnico. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_humanizada_recem_nascido_canguru.pdf>. Acesso em: 02 ago. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Relatório sobre o Método Canguru desde sua implantação até os dias atuais, com critério para prosseguimento e expansão do projeto, incluindo a capacitação de recursos humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.
BRASIL. Ministério da Saúde. Guia alimentar para população brasileira. Promovendo alimentação saudável. Manuais técnicos. Brasília - DF; 2006b.

BRITO, Maria Haydée Augusto. Modelos de assistência neonatal: comparação entre o método mãe canguru e método tradicional. Tese [Doutorado]- Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5141/tde-14102008-153456/pt-br.php>. Acesso em: 10 jul. 2018.
.
CHARPAK, Nathalie; CALUME, Figueiróa de; HAMEL, A. O método mãe canguru: pais e familiares dos bebês prematuros podem substituir as incubadoras. Rio de Janeiro: McGraw Hill; 1999.

GESTEIRA, Elaine Cristina Rodrigues et al. Método Canguru: benefícios e desafios experienciados por profissionais de saúde. Revista da Enfermagem da UFSM, Santa Maria, v. 6, n.4, p.518-528, out./dez. 2016. Disponível em: < https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/20524>. Acesso em: 10 jul. 2018.

GODOY, Arilda Schmidt. Refletindo sobre critérios de qualidade da pesquisa qualitativa. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, Recife, v. 3, n. 2, p. 81-89, mai./ago. 2005. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2018.

HOGA, Luiza Akiko Komura; REBERTE, Luciana Magnani. Pesquisa-ação como estratégia para desenvolver grupo de gestantes: a percepção dos participantes; Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 41, 4, p.550-566, 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080-62342007000400004&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 10 jul. 2018.

HORTA, Bernardo L. et al. Evidence on the long-term effects of breastfeeding: systematic review and meta-analyses. Geneva: World Health Organization; 2007. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2018.

JAVORSKI, Marly et al. As representações sociais do aleitamento materno para Mães de prematuros em unidade de cuidado canguru. Revista Latino-Americana de Enfermagem. Ribeirão Preto, v. 12, n.6, p. 890-898, 2004. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2018.

MOLINA, M.C.T. Composición de laleche humana. Lactancia materna: Guia para professionales. Comité de lactancia Materna de la Associación Española de Pediatria, n. 5, p. 59-76, 2004.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Proteção, Promoção e Apoio ao Aleitamento Materno: o papel especial dos serviços materno-infantis. Genebra: Editora da OMS, 1999.

PEDRAS, Cinthia Tiago Paes de Almeida; PINTO, Elizete Aparecida Lomazi da Costa; MEZZACAPPA, Maria Aparecida. Uso do copo e da mamadeira e o aleitamento materno em recém-nascidos prematuros e a termo: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 8, n. 2, p. 163-169, 2008. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2018.

RAMOS, Helena Ângela de Camargo, CUMAN, Roberto Kenji Nakamura.Fatores de risco para prematuridade: pesquisa documental. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v.13, n.2, pp.297-304, 2009. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2018.

REBERTE, Luciana Magnoni; HOGA, Luiza Akiko Komura. O desenvolvimento de um grupo de gestantes com a utilização da abordagem corporal. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 14, n. 2, p. 186-192, 2005.

SANTOS, A.P.A; PIZZI, R.C. O papel do enfermeiro frente aos fatores que interferem no aleitamento materno. 65f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em enfermagem) - Centro Claretiano, São Paulo, 2006.

SERRUYA, Suzanne; LAGO, Tânia de; CECATTI, José Guilherme. Avaliação preliminar do programa de humanização no pré-natal e nascimento no Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 26, n. 7, p. 517-525, 2004.

SILVA, Eveline Franco da; MUNIZ, Fernanda; CECCHETTO, Fátima Helena. Aleitamento materno na prematuridade: uma revisão integrativa. Revista de Enfermagem da UFSM, Santa Maria, v. 2, n. 2, p. 434-441, 2012.

SOUTO, Danielle et al. Método canguru e aleitamento materno: uma revisão integrativa da literatura nacional. Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 35-46, jan./abr. 2014. Disponível em: <
http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faenfi/article/view/14519>. Acesso em: 05 jul. 2018.

SPEHAR, Mariana Costa; SEIDL, Eliane Maria Fleury.Percepções maternas no método canguru: contato pele a pele, amamentação e autoeficácia. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 18, n. 4, out. dez. 2013, p. 647-656. Disponível em: Acesso em: 22 jul. 2018.

TAMEZ, R. N. Papel da Enfermagem no Aleitamento Materno. In: REGO, J. D. Aleitamento materno. São Paulo: Ed Atheneu, 2001. p. 115-233.

TOMA,Tereza Setsuko; VENANCIO, Sonia Isoyama; ANDRETTO, Daniela de Almeida. Percepção das mães sobre o cuidado do bebê de baixo peso antes e após implantação do Método Mãe-Canguru em hospital público da cidade de São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 7, n.3, p. 297-307, jul. / set., 2007. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2018.

VENANCIO, Sonia Isoyama; ALMEIDA, Honorina de. Método Mãe Canguru: aplicação no Brasil, evidências científicas e impacto sobre o aleitamento materno. Jornal de Pediatra, Porto Alegre, v. 80, n. 5, p.S173-S180, 2004.
Publicado
30-06-2021
Como Citar
Haberland, D. (2021). Promoção Aleitamento A promoção do Aleitamento Materno ao Recém Nascido Pré Termo utilizando o Método Canguru. Educação Sem Distância - Revista Eletrônica Da Faculdade Unyleya, 1(3). Recuperado de https://educacaosemdistancia.unyleya.edu.br/esd/article/view/86
Seção
Práticas profissionais: Saúde