Educação Afrocêntrica: um currículo decolonial e antirracista na educação infantil

a decolonial and anti-racist curriculum in early childhood education

Palavras-chave: Educação antirracista, Descolonialidade, Sankofa, Educação Afrocentrada, Educação Infantil

Resumo

O presente artigo visa, por meio de revisão de literatura, tratar da importância do afrocentramento da educação infantil na cidade, apontando por meio de dados estatísticos a cidade de Salvador como objeto de estudo, juntamente como os referenciais teóricos e o projeto político pedagógico de uma instituição afrocêntrica, busca justificar a necessidade de racializar as práticas pedagógicas desde a construção do currículo educacional até a sala de aula com crianças de 0 a 5 anos. Esse trabalho aponta como a educação afrocêntrica e a pedagogia histórico crítica caminham juntas na construção da referência Escolinha Maria Felipa, de renome municipal, juntamente com outras instituições Pan africanistas que pautam o conhecimento ancestral de África como conhecimento possível nas instituições de educação infantil. Centradas nos pilares da afrocentricidade, agência e cosmovisão, apresentam uma outra perspectiva curricular que deslocam o padrão branco intelectual e aponta para outras culturas, não somente de África, como de diáspora e indígena.

Referências

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: Acesso em: 14 jul. 2020.

BRASIL. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 23 de dez de 1996. Disponível em: Acesso 14 jul. 2020.

BRASIL. Lei n° 10.639 de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 9 de jan. de 2003. Disponível em: Acesso em: 14 jul. 2020.

BRASIL, Lei n° 10.645 de 10 de março de 2008. Altera a Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei n° 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 11 de mar. De 2008. Disponível em: Acesso em: 14 jul. 2020.

CERQUEIRA, J. Írín Afrika: a mensagem subliminar esculpida em antigos portões. Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades. 22 mai. 2016. Disponível em: Acesso em: 18 ago. 2020

PROJETO político pedagógico. Escolinha Maria Felipa. Salvador: BA, 2020.

CUNHA, D. A. da. Brincadeiras Africanas para a Educação Cultural. Castanhal, Pa: Edição do autor, 2016. Disponível em: Acesso em: 01 set. 2020.

FANON, F. Condenados da Terra. Vol. 42. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira. 1968.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTISCA. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2017-2018, 2018. Disponível: Acesso em: 17 jul. 2020.

ILÊ AYÊ. Escola Mãe Hilda. Ações Sociais, 2020. Disponível em: Acesso em: 18 ago. 2020.

KARENGA, M. A função e o futuro dos estudos africana: reflexões críticas sobre sua missão, seu significado e sua metodologia. In: Nascimento. E. L. (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009. p. 333-359.

LIMA, I. B. A criança e a natureza: experiências educativas nas áreas verdes como caminhos humanizadores. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação). Departamento de Educação, Universidade Estadual de Feira de Santana, Bahia, 2015. Disponível em: < http://tede2.uefs.br:8080/handle/tede/214> Acesso em: 18 ago. 2020.

MALANCHEN, J. Currículo e Pedagogia histórico-crítica: a defesa da universalidade dos conteúdos escolares. In: X ANPED SUL, 2014, UDESC Florianópolis. Anais. Florianópolis: SC, out de 2014. p. 9. Disponível em: Acesso em: 14 jul. 2020.

MORENO, S. Cidade mais negra fora da África, Salvador completa 467 anos. Agência Brasil. Salvador, 29 de mar. de 2016
Acesso em: 17 jul. 2020.

NFERI, A. Educação afrocêntrica como via de luta antirracista e sobrevivência na maafa. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. N° 31. mai-out 2019.

NESP. Núcleo de Estudos de Saúde Pública. Perfil do Município de Salvador/Ba: Análise do acesso e da qualidade da ação integral à saúde da população LGBT no Sistema Único de Saúde. UNB. 2016. Disponível em: Acesso em: 14 jul. 2020.

SMED. Salvador é a terceira capital brasileira com maior percentual de escolarização na pré-escola. Portal da Educação. Salvador, 06 de ago de 2019. Disponível em: Acesso em: 17 jul. 22

TRINDADE. A. L da. Valores civilizatórios afro-brasileiros na educação infantil. Blog diversidade educação infantil. Revista Valores Afro-brasileiro na Educação. 2005. Disponível em: Acesso em: 14 jul. 2020
Publicado
18-12-2020
Como Citar
Santos de Santana, J. (2020). Educação Afrocêntrica: um currículo decolonial e antirracista na educação infantil. Educação Sem Distância - Revista Eletrônica Da Faculdade Unyleya, 1(2). Recuperado de https://educacaosemdistancia.unyleya.edu.br/esd/article/view/39
Seção
Artigos de pesquisa